Perguntas Frequentes
1- Quais os procedimentos mais realizados?
Na ginecologia, o procedimento mais realizado, seguramente é a histerectomia – que se trata da retirada do útero, acompanhado, ou não, da retirada dos ovários. Esta diferença ocorre, basicamente, quando a doença é benigna ou maligna, explica Dr. Celso. Neste ultimo caso, a extensão da cirurgia também é determinada pelo tipo de doença e pelo estágio em que ela se encontra.
2- O que há de mais moderno hoje na ginecologia?
Todos os avanços mais recentes da medicina tem um pouco de relação com a saúde feminina e podem ser utilizados em ginecologia. Isto inclui todos os tradicionais recursos de imagem como mamografia e outros, como por exemplo: ultrassonagrafia quadridimensional, ressonância magnética funcional, tomografia por emissão de pósitrons e o uso de radioisótopos para marcação de tumores.

Dos avanços técnicos em cirurgia, destacamos a era da cirurgia minimamente invasiva, ou seja, aquela que é realizada sobre o objeto do tratamento (tumores e lesões) com o mínimo de destruição dos tecidos sadios, reduzindo-se incisões e traumas operatórios.
3-Qual a cirurgia mais aconselhável para tratar problemas ginecológicos?
A vídeo laparoscopia, para intervenções dentro do abdômem e a histeroscopia, para intervenções dentro da cavidade uterina são considerados o padrão ouro para abordagens de problemas ginecológicos, tanto para casos mais simples como cisto de ovário ou investigação da infertilidade, como em situações de alta complexidade tal qual endometriose avançada, e os tratamentos de miomas e câncer.
4- Existem técnicas novas para a cirurgia de rejuvenescimento vaginal?
Sim,o preenchimento da vulva e do monte de Vênus é feito atualmente com produtos como o metacrilato e ácido hialurônico, ao invés da lipoescultura, realizada anteriormente. A cirurgia do alargamento do hiato vaginal também foi modificada e atualizada por nós de maneira a torná-la muito mais funcional e prazerosa para a paciente e com resultados estéticos excelentes.

É importante citar que este tipo de correção abrange um grande número de procedimentos corretivos e que não tem apenas finalidade estética. Isto se aplica a um grande número de mulheres que possuem, em alguma proporção, algum tipo de prolapso (queda ou rebaixamento) genital, seja da bexiga, do ânus, do reto ou da cúpula vaginal – que ocorrem especialmente após cirurgias sobre o útero.

Novos materiais e técnicas foram desenvolvidas especialmente para esta modalidade corretiva, que de certa forma, torna-se indissociável da correção estética.
5- Como é realizada a cirurgia de incontinência urinária?
Como trata-se de um problema mecânico, a correção se dá através de uma cirurgia criativa e funcional, explica Dr. Ronsini. Nessa cirurgia, uma fita plástica de polipropileno, conhecida como sling, é posicionada na bexiga e atuará no reposicionamento desta, devolvendo sua angulação natural. “A incontinência com 100% de solução é aquela exclusivamente associada ao esforço ”, afirma Dr. Ronsini.
6 - Qual o tipo de anestesia geralmente utilizada?
A anestesia geralmente utilizada é o bloqueio epidural ou raquianestesia.. Reserva-se a anestesia geral, para os casos de videolaparoscopia, quando o tempo de cirurgia também é um pouco maior.